.

.

8 de mai de 2010

[NEWS] Grécia - Podemos!


[“Os e as que somos e que estamos aqui para inventar a resistência contra a onda de fascismo que nos impõem, necessitamos da solidariedade de cada um e de cada uma, de todos e todas na Europa e no mundo que sejam companheiros e companheiras. Trata-se da nossa vida, da nossa dignidade, da vossa vida e da vossa dignidade”.]

Ninguém, absolutamente ninguém das centenas de milhares dos e das manifestantes que estávamos hoje nas ruas da Grécia sabe como começar a escrever uma noticia sobre o que hoje significa e é para a Grécia tudo isso.

Por onde começar? Pelos momentos da manhã em que um rio raivoso de manifestantes percorreu todas as cidades da Grécia? Pelo cerco militar (porque exército aqui são os corpos policiais) que sofre a cidade de Atenas nestes momentos da noite, com a polícia invadindo com toda a sua barbaridade as ruas, as ocupações, os cafés de Exarchia, os locais da juventude, as sedes de grupos políticos, as casas? Pela morte trágica dos três empregados do Banco Marfin, que selou este dia que era tão decisivo para o povo grego (e os outros povos europeus); um dia tão importante porque ao fim a raiva saiu às ruas em manifestações tão multitudinárias que nem no Dezembro de 2008 havia vivido a Grécia?

Quiçá, quando se perdem três vidas é justo que isto seja a noticia a destacar. Mas não é justo - e mais que isso: é mesmo imoral - o que desde há algumas horas o governo grego está fazendo e sua polícia, os políticos dos grandes partidos e os seus massivos meios de comunicação estão fazendo, aproveitando-se da trágica morte dos três empregados do Banco Marfin, fazem uma "caça às bruxas", culpando todo um povo que se recusou a aceitar as ordens dos de cima que o condenam a uma vida sem futuro digno e sem esperança.

A pergunta “O quê ou quem obrigou os empregados do Banco Marfin a trabalhar enquanto percorria a rua Stadíou uma manifestação multitudinária e raivosa, com a sua ira concentrada nos bancos?”, circula na boca de todos e de todas. A resposta é fácil: o mesmo sistema que, amanhã, vai obrigar a todas e todos a baixar a cabeça pelo medo de perder o seu trabalho precário.

Muito poderíamos dizer (e já se disse aqui) sobre as condições da morte das três pessoas que a direção do banco proibiu de sair do trabalho deixando-os encerrados num edifício onde não havia saída de emergência e não funcionavam os sistemas de segurança contra incêndios. Neste momento limitamo-nos a traduzir um fragmento do comunicado do Sindicato dos Empregados Bancários que decretou uma greve para amanhã (6 de maio) nos bancos:

“...o que ceifou as vidas dos nossos companheiros de trabalho é a conseqüência trágica das medidas antipopulares que aumentaram a revolta do povo e o protesto de centenas de milhares de trabalhadores. Os responsáveis terão de pagar com toda a severidade. Mas também existem autores morais deste delito... que estão na política do governo, nas ações da polícia e nos Diretórios dos Bancos que chantageiam os empregados e não lhes permitem a participação nas moblizações e os quais com uma irresponsabilidade incrível nunca tomam as medidas necessárias nas sucursais bancárias que sempre são os objetivos da revolta em todas as marchas obreiras e nas manifestações”.

Hoje tudo era possível...

É impossível que alguém possa fazer retroceder o tempo e regressar aos momentos anteriores às 2h30, em que se deu a conhecer a morte das três pessoas. Mas aqueles momentos existiram. E eram momentos magníficos. E também devemos contá-los. Devemos informar e comunicar a todo o planeta porque hoje na manifestação de Atenas jogou-se o futuro de um povo inteiro.

Se não tivesse passado o que se passou, amanhã o Parlamento grego - quem sabe, ninguém o sabe - não ia PODER votar a favor do acordo com o FMI. Tudo estava em aberto hoje: as pessoas caminhavam decididas a cercar o Parlamento, ficar todo o dia e toda a noite nas ruas para pressionar tudo que fizesse falta, estavam decididas a tentar invadir, uma e duas ou três vezes o Parlamento. Era como um gigante adormecido despertasse de repente e nem a repressão nem os gases lacrimogêneos poderiam impedi-lo.

Caminhavas pela manifestação e por todos os lados se respirava esta decisão: “não vai passar”. Não era um slogan, era uma decisão O slogan “se não podem governar, vão se embora já, vão se fuder”, escutava-se de pessoas de quem nem se esperavas e se transmitia como um raio por toda a manifestação levantando uma onda de entusiasmo que somente podes viver quando a multidão nas ruas está em sintonia, como um coração coletivo.

Tudo estava em aberto e era possível hoje, porque quem estava nas ruas já sentia que o medo de estar ali já era coisa do passado. E não é pouco isto: já passaram seis meses inteiros que dia a dia, momento a momento, minuto a minuto, nos impregnavam, gota a gota, o medo. Dormíamos cada noite com raiva, com um nó na garganta - porque já conhecíamos a hipocrisia -, e despertávamos com o medo no coração. Porque não conhecíamos o que viria com o amanhecer: íamos amanhecer com os bancos fechados? Com os nossos salários e economias roubados? Com o país em quebra? Não conhecíamos como ia amanhecer o dia para nós. Para cada um e cada uma e para um povo inteiro.

E putos de tantas análises sobre os motivos da crise, chateados pelos números dos milhões de milhões de euros, nos despertamos um dia dando-nos conta que nós - os de baixo - íamos pagar a conta dos de cima.

Era, e é, tão simples e tão terrível: o FMI e países da União Européia iam emprestar -EMPRESTAR - à Grécia tantos e tantos milhões de euros (140.000.000) a um interesse de 5%. Para a Grécia pagar a sua dívida aos bancos alemães, franceses, ingleses, gregos, espanhóis etc... por um interesse que superava os 7%. E isto tínhamos - teremos - que pagar nós: um povo humilhado a quem utilizam como cobaia para provar no seu corpo o que sobretudo lhes interessa: se podem fazer passar aos povos europeus - com leis e consenso adquirido pelo medo - a flexibilidade e a precariedade no trabalho. Para ganhar mais e mais. Assim, tão simples. E eles, os de cima, acreditavam que já tinham ganhado o jogo. Todavia não sabemos se ganharam, mas as manifestações de hoje na Grécia mostraram - e eles já sabem - que as “ovelhas-cobaias” PODEM desviar-se da sorte que lhes reservam os pastores: a do massacre.

Hoje na Grécia tudo está aberto: se a manipulação pela desgraçada perda das três vidas lhes servirá - como querem - para impor, outra vez, o medo e o silêncio a sociedade, é o que veremos nos próximos dias. Nós continuaremos sem conhecer o que nos espera. Mas também conhecemos duas coisas, que as manifestações de hoje as gritaram: somos muitos os e as que não vamos ficar calados, somos muitos os que hoje superamos o medo. E: os e as que somos e que estamos aqui para inventar a resistência contra a onda de fascismo que nos impõem, necessitamos da solidariedade de cada um e de cada uma, de todos e todas na Europa e no mundo que sejam companheiros e companheiras. Trata-se da nossa vida, da nossa dignidade, da vossa vida e da vossa dignidade.

Está em jogo o sonho comum: estamos num momento crucial. Vamos construir esse novo mundo? Passa a resposta também pela solidariedade (com o significado da palavra em grego: eu por ti, porque em ti confio e estou pronto para o que for preciso por ti, porque és meu irmão) e a irmandade.

Hoje nas ruas sentimos que não somos indivíduos que dormimos e despertamos cada um com a sua raiva e os seus medos. Amanhã necessitamos de todos e de todas nesta luta que será longa...

SÓS NÂO PODEMOS!

A manifestação em Atenas começou pela manhã, às 11h. Haviam-se convocado quatro concentrações diferentes. O PAME (“Frente” controlada pelo Partido Comunista KKE) em Omonia, os sindicatos oficiais GSSE e ADEDY em Pedío Areos, várias organizações de esquerda e anarquistas e os sindicatos de base no Museu Nacional e na Praça de Victoria, organizações e sindicatos anarquistas. Muito cedo, já desde às 11h30, ficou claro que não iriam existir quatro manifestações diferentes, simplesmente porque era tanta gente que rapidamente as quatro concentrações se haviam unido numa só: desde Omonia até à Praça Victoria não cabia mais nem um alfinete.

Com valorizações “mais ou menos”, era a maior manifestação que viveu Atenas desde há trinta anos, comparando-a as maiores, as manifestações nos primeiros aniversários da queda da ditadura.

A polícia deixou passar em paz os manifestantes do PAME e os dos sindicatos oficiais, mas começou a cercar (literalmente) a manifestação quando desfilavam os sindicatos de base, as organizações de esquerda e do espaço anarquista. Por volta das 13h30 a tensão subiu ao pico porque toda a gente, até a que desfilava com os sindicatos oficiais, estava furiosa e o objetivo da sua raiva era a polícia. Os gases lacrimogêneos transformaram uma vez mais o centro de Atenas num inferno. Mas as pessoas insistiam: vamos ao Parlamento. A manifestação se dispersou uma e outra vez pela repressão, mas a gente não saía e se concentrava outra vez.

Por fim formou-se uma concentração que começou a caminhar passando outra vez pela Omonia e pela rua Stadíou. Íamos para o Parlamento quando se deu a conhecer a noticia dos três mortos. Não saiu ninguém. Uma manifestação silenciosa, raivosa - e paralisada - até às 17h quando foi invadida por um exército de motocicletas policiais e um exército de agentes antidistúrbios.

Tantos que até os jornalistas dos canais de televisão gritavam que “isto nem nos filmes temos visto, nos atacam a todos por todos os lados, é um exército”. E era um exército. Que se espalhou por todo o centro. Proibiram-se de passar as pessoas nas ruas centrais. Proibiu-se. Assim, sem mais nem menos. Tinhas que caminhar como quatro quadras para encontrar uma rua aberta para chegar a sua casa. Apareceu na televisão o primeiro-ministro, esse Giorgos Papandreou para culpar os “desobedientes e a sua violência”. Sem deixar de recordar-nos que temos que cumprir as ordens, pois, o seu governo, o FMI e a UE têm como único objetivo “salvar” a Grécia. Todos os demais que não queremos esta “salvação” somos responsáveis - segundo o primeiro-ministro - da morte trágica dos três empregados do Banco Marfin. Segundo o primeiro-ministro, segundo o senhor Samaras (Presidente do Partido da Nova Democracia) e segundo o senhor Bgenopoulos - proprietário do Banco Marfin, o homem que nos últimos anos domina a vida econômica do país, proprietário de bancos, iates e da Olympic Airlines que lhe entregou o Estado grego faz alguns meses... - todos e todas somos culpados e “cúmplices” se não consentimos no que, sobretudo é: a “salvação da pátria”.

Desculpem se este escrito segue sem a coerência devida. Há momentos em que ninguém sabe por onde começar e onde terminar. Vivemos um desses momentos na Grécia. E necessitamos de vocês. SÓZINHOS E SÓZINHAS NÃO PODEMOS seguir com a esperança que hoje encheu as ruas da Grécia.

Desde a Grécia...

Atenas, 5 de maio de 2010.

Tradução > Liberdade à Solta

agência de notícias anarquistas-ana

Brisa de outono
Como flechas de sombras
Os pássaros voltam.

Jorge Lescano

Nenhum comentário: